2 de maio de 2008

Leitor-Voyeur

Querido leitor,
Não tenhas medo e volta sempre que queiras.
Perdoa se não actualizo os posts com tanta brevidade como tu esperavas, ansioso. Desculpa-me leitor não alimentar a tua imaginação como desejavas - mas por vezes o meu terreno é árido, o meu talento (se é que o tenho) nulo. Fica entalado entre o pensamento e a expressão. As palavras existem apenas como ideia, mas não formam frases e muito menos textos.
Queria escrever-te há muito. Desde que associei certas pegadas a ti, pelo menos.
Espreitas em silêncio pela fechadura da porta. E hoje só quis abri-la de repente e dizer-te:
- BU!

1 comentário:

Tomas disse...

nao sejas modesta